sábado, 23 de setembro de 2017

Um Pouco de Ericeira e de Portugal


Mosteiro dos Jerônimos em Lisboa, Portugal.
Do Brasil vim à Portugal, berço de meus avós. Nele, cheguei à Ericeira cidade à quarenta e dois quilômetros de Lisboa, para ter um encontro familiar e depois naturalmente conhece-la.
   Sobre o encontro, a alegria que senti foi destas que não se consegue narrar, apenas vive-la intensamente.
   Quanto à Ericeira, o primeiro impacto me ocorreu por conta da total claridade e alvura de seu ambiente . Seus blocos de construções, que não atingem mais do que quatro andares, quase todos são pintados de branco. Apenas o amarelo e o azul de suas janelas lhe dão o contrastante toque de cor. Surpreendeu-me seus telhados ,todos parecendo novos como se fuligens e fumaças ,nunca os atingissem.
   É verão e a natureza nos oferece a beleza de muitas árvores de espirradeira e bougainvillias. Porém, é sobretudo o mar que reina soberano em Ericeira. Mar límpido e transparente que traz ondas gigantescas também alvas a se arrebentarem, levantando-se às alturas sobre penhascos São estas ondas que fazem o encanto dos jovens que nelas treinam para depois exibirem suas habilidades de surfistas aqui mesmo em seus torneios.
   Lembrei-me prontamente de meu neto Gabriel, que ama tanto o mar e apreciará estar também um dia sobre elas.
   O Centro de Ericeira, a que chamam “Vila”, faz o entusiasmo de qualquer turista. Nele, não faltam praças e barezinhos onde os Ericeirenses costumam reunir-se à tardinha para “jogarem conversa fora” entre si e tomarem seu costumeiro lanche da tarde, este um hábito generalizado que me fez surpresa de terem ainda fome para jantarem dali a umas horas.
   Aliás o item “alimentação” é digno de ser mencionado em todo Portugal. Refeições são servidas com fartura em qualquer restaurante (para mim foi sempre difícil comer uma porção individual sozinha), são sempre regadas à azeite, que sempre é dos melhores.
   Lembremos que Portugal é um grande plantador de oliveiras, desde que foram introduzidas aqui pelos mouros no séc. VIII. Na Idade média já o azeite de oliva era tão abundante que o usavam até para iluminar cidades.
   De Norte à Sul, De Trás-os-Montes até o Algarve ,passando pelas Beiras (litoral e interior), Estremadura e Alentejo, encontramos seus grandes plantios.
   A Mitologia nos conta a respeito desta árvore: Que a deusa Palas Atenas passou a ser uma divindade agrícola, quando ofereceu a recém fundada cidade de Atenas a primeira oliveira. Dela, os gregos comiam seus frutos e a deusa lhes ensinou depois a tirar deles muito óleo, com que preparavam o alimento e iluminavam suas casas.
Plantação de oliveiras em Portugal.

  Enquanto uma parte da família foi à Lisboa ,e por lá estavam admirando a suntuosidade do “Convento dos Jerônimos” a secular Torre de Belém ,e o magnífico monumento aos descobrimentos, onde aparecem enaltecidos com justiça entre mais de trinta personagens, navegadores como D. Henrique , Cabral, Vasco da Gama, Bartolomeu Dias, Fernando Magalhães e muitas outras personagens do medievo português, eu e Vania fomos ao centro de Ericeira.
    Lá apreciamos seu prato mais típico: o bacalhau. Em sua maioria ele é originário da Noruega.  “Porém, meu neto Daniel, que já está há muito tempo em Portugal, e por tanto amar este país já se tornou ,como dizemos no Brasil , um bairrista”, me afirmou que a melhor técnica de preparar o bacalhau é mesmo a portuguesa.
   Enquanto comíamos nos puseram à mesa uma irresistível cesta de pães. Isto fez minha memória regredir à minha infância no Rio de janeiro das décadas de trinta e quarenta. Habitado então em sua maioria por descendentes de portugueses, a maior habilidade de seus comerciantes era, sem dúvida, a feitura dos pães, vendidos sempre em padarias numa época em que os super mercados inexistiam. Eram entregues também à domicílio, em cestas cobertas por panos muito alvos.

Vinhedos à margem do rio Douro...

Naturalmente que ao chegarmos á Portugal sempre estamos ávidos por provar o seu apreciado vinho. Afinal, vir a este país e não beber seu vinho é como ir à Roma e não ver o Papa. Hoje regiões como o Douro, Alentejo, Setúbal, Minho e muitas outras são grandes produtoras.
   A Grécia antiga nos legou o mito de Dionísio, o deus do vinho, que sempre é bom ser lembrado, principalmente se uma apaixonada por Mitologia como eu o está saboreando: 
   Dionísio era filho bastardo de Zeus, Então, Hera esposa de Zeus, o odiava. Quando ele se fez rapaz, ela o exilou para a longínqua Arábia. Foi lá, que andando por uma mata, encontrou a raiz de uma plantinha desconhecida que, ao crescer, lhe mostrou a uva. Fez dela uma bebida que o iria tornar famoso. Por isso se diz que a uva é originária da Arábia.
   Dionísio entusiasmou-se tanto com aquela deliciosa bebida que passou a toma-la em demasia. Ela o enlouquecia, o fazia perder a cabeça. Começou a segui-lo pessoas que comportavam-se descontroladamente. Fez então um cortejo de Sátiros e Centauros, seres metade homem, metade animal. Sendo ele um homem muito belo, atraia mulheres participantes de bacanais que chamavam-se então “As bacantes”. Neste cortejo o chamavam de “Baco”.
   Logo porém, Dionísio conseguiu tomar vinho na medida certa  e constatou que o vinho trazia inspirações e intuições maravilhosas. Foi ali que ganhou o nome de Dionísio que quer dizer “Duas vezes nascido pois agora realmente se sentia outro homem”. Criou um novo cortejo, onde participavam ninfas e musas inspiradoras de música e poesias. A fama do vinho espalhou-se tanto, que passou a ser usado em liturgias, onde religiões, através dele, chegavam a atrair  o Divino.
   Foi por estas energias inspiradoras do belo e do espiritual, que Hera perdoou o filho bastardo de seu marido e convidou-o a morar no Olimpo, fazendo dele um deus imortal. Como tinha uma personalidade dupla pois era filho de um deus com uma mulher , passou a ser amado  por toda a Grécia, o amava mortais e imortais .
    Além do vinho, cheguei a provar aqui também um licor, mais alcoólico que ele. Bebida muito doce, feita do bagaço da uva , chamada Jeropiga. Soube que esta bebida é produzida também na Ilha dos Marinheiros no Rio grande do sul, Brasil. Em Portugal é bastante popular  também o licor chamado Ginja.                     .
A nos servirem no restaurante, estavam dois rapazes brasileiros .Estes como acontece com muitos jovens  durante a crise política  e social que vivemos atualmente no Brasil, que afeta principalmente os empregos, eles também buscavam ter melhor sorte em Portugal.
 
Vista panorâmica da cidade de Ericeira,
praia e rochedos...

Após o almoço, fui procurar livros  e encontrei algo que  me encantou : ”A Carta de Pero Vaz Caminha”. É nela que se encontra a melhor narrativa  do dia do descobrimento do Brasil, nos mostrando a inocência, a passividade  e a confiança ingênua com que nossos índios se mostraram nus e receberam desconhecidos. Embora os dois grupos se expressassem em línguas diferentes, conseguiram se intender para realizarem as suas trocas. Aliás, em referência à expressões linguísticas, hoje quando já se passaram mais de 500 anos destes fatos, e falamos nós, brasileiros, a mesma língua daqueles que nos colonizaram, inúmeras palavras nossas  já são ditas e escritas de maneira diversa do linguajar de Portugal.
   Assim encontrei aqui em Ericeira: Nosso “Estar pronto” por “Despachar", "Crianças”  por “Miúdos“, Nosso “Banheiro” por “Sala de Banho”, Nossa “Calcinha “ por “Cueca”, nosso “Pedágio“ por ”Postagem”, e tantas outras.
   Porém, nada disso, perturba o nosso entendimento e quando acontece crises de desemprego como a que enfrentamos no Brasil agora, jovens humildes e garçons, como estes que citei, vêm buscar na pátria mãe sua recuperação.
   Não resisti também às lojas de produtos regionais  e fui logo procurar objetos, fossem toalhas, cerâmicas, ou tudo o mais que com que pudesse  depois, no Brasil, exibir o grande símbolo de Portugal : o Galo. 
  Aqui se sabe da lenda do rapaz que acusado de um crime , mas inocente, teria afirmado que um galo, que estava sendo comido por um bispo,  iria levantar-se do prato e cantar para provar sua inocência, o que de fato teria acontecido.  Eu, como estudiosa da História das Religiões, lembrei-me também do que diz o Cristianismo sobre a figura do galo sobre as igrejas cristãs:
 Ensinou-nos São Marcos em seu Evangelho que o galo é o grande vigilante. Isto é, enquanto dormimos (também espiritualmente), o galo  nos vela e depois  canta três vezes para nos acordar (também espiritualmente) .Diz São Marcos ainda isto : “Sê também  vós um vigilante, porque nunca sabeis a hora que o vosso mestre vem vos chamar. Se esta tarde ,se é esta noite, ou na madrugada quando o galo cantar”.
   Portugal foi o país que mais aceitou esta advertência de São Marcos. Colocou em muitas torres de capelas e igrejas a figura do galo,  representando o chamamento do Cristo para nós, nos convidando a um renascimento interior.
   Porém, os amantes de Mitologia se lembram que também já na Grécia antiga o galo simbolizava a chegada o deus do sol, Apolo, anunciando a  ressurreição de um novo dia e uma ressurreição íntima para nós.

Galo, símbolo de Portugal.

   Fomos depois à praia dos pescadores.  Soube  ali que o grande padroeiro de Ericeira  é São Pedro Pescador.  Vejo justiça nesta escolha pois antes da época áurea  de Portugal, aquela dos descobrimentos marítimos, Ericeira vivera grande penúria, contando apenas com o peixe, principalmente a sardinha, muito abundante nas costas portuguesas, para sua sobrevivência. Porém, os livros que li sobre Ericeira falavam pouco sobre esta época de penúria, os historiadores preferindo falar da cidade a partir  da revolta para a republica. Falam com minúcias sobre os conflitos violentos causadores de muitas mortes acontecendo em Lisboa, a bem de mudarem o regime vigente. Detalham a saída súbita e rápida de Mafra por D. Manuel II, ultimo  rei de Portugal. Ali estava o rei em seu castelo, belíssimo ,hoje muito visitado por turistas, onde todos os anos ia caçar. Urgia que saísse rápido em fuga para um exílio. Sairia pelo porto de Ericeira, na época um dos melhores da costa portuguesa. Foi esta saída súbita da família real que introduziu Ericeira  definitivamente nos anais da história de Portugal.
   Hoje ali está na Praia dos Pescadores um marco desta sua saída em 1910 para o exílio na Inglaterra. Lembremos que desde o século que havia passado, quando Napoleão invadira Portugal , já fora a Inglaterra que escoltara os navios que levariam a família real portuguesa para sua chegada ao Brasil  em 1808 , e os dois países permaneciam unidos.
                       
                     ******************************************

   Sempre soube que o português, em sua maioria, era muito afeiçoado à família. Observei isto desde criança na convivência com meu avô, originário de  Trás- os - Montes, e vários de seus patrícios. Indo para o Brasil ,casou-se com a descendente de uma índia e teve com ela 12 filhos, mas a viu morrer apenas com 33 anos. Viúvo, dedicou-se inteiramente aos filhos. Uma de suas filhas já com quinze anos, cuidava dos irmãos enquanto meu avô saía à trabalhar, mas todos o esperavam ansiosos para receber os seus carinhos, porque todos sabiam que ele vinha direto do trabalho à casa, ansioso também por abraça-los. Meu avô dizia que um pai de filhos menores nunca devia deixa-los ir para cama sem a presença dele.
   Sua casa foi depois o abrigo garantido dos descendentes que seus filhos lhe deram Quando perdeu uma de suas filhas ,passou a criar os seus dois netos com o mesmo desvelo. Eu, como filha de um militar que vivia de uma cidade à outra, a bem de estudar, vivi com meu avô a maioria de minha infância .Enfim ,fez de sua casa o refúgio seguro para todos nós.  Legou para nossa família atual a amorosidade e o amor às crianças que ainda é muito forte em nós.
   Hoje aqui em Ericeira conheci um casal que me confirmou esta tendência familiar dos portugueses.  Achei-os na família com a qual minha neta Vanessa veio a se relacionar pelo casamento. A maneira de externarem amor aos filhos, nora e netos, é muito parecida  a apresentada pelo meu avô. Meu avô fora agricultor, em Trás- os – Montes e este casal também lida com plantios.  Como a comparação que fiz foi entre pessoas que se envolvem com o campo, não sei precisar se esse extremado amor à família é peculiar aqui apenas ao homem do campo. Se os habitantes de zonas urbanas, das grandes cidades portuguesas, guardam a mesma característica.

Trás os Montes, principal origem dos emigrantes
portugueses no Brasil.

   Uma das maiores características não só de Ericeira mas também de Portugal é a sua profunda religiosidade. Como todos os povos, dentro de uma modernidade que se abre a todos os credos, conta hoje em seu meio com a Maçonaria, Espiritismo, Protestantismo, e até o mais novo dos cultos, o Pentecostalismo. Porém, como tradição que carrega fortemente é o Cristianismo que ainda domina. As doutrinas orientais como Budismo e Bramanismo são pouco encontradas , segundo ouvi alguém ,ligado a elas, se queixar de  sentir-se só nestas suas preferências.
   Na idade Média, pelos séculos XV e XVI  o Cristianismo em Portugal, como em todos os países da Europa, passava por um período de  decadência ética e moral. Contudo, a vida monástica era numerosa, contando com muitos  conventos e mosteiros.
   Um dos mais lindos, sem dúvida  era o dos Jerônimos  em Lisboa . Estes frades, originários da Itália, muito contemplativos, com sua retidão e idealismo, tentavam levar a Igreja a recuperar-se através de uma maior espiritualidade, sem êxito ,porém.
   Hoje, este mosteiro  nos exibe a beleza deslumbrante do seu Claustro, e a arte de azulejaria do seu refeitório expondo dentro de uma maravilhosa técnica cenas do cotidiano medieval.
   Apesar do Cristianismo sempre ter proibido adivinhações, feitiçarias e superstições, muitos portugueses são supersticiosos. Assim nos afirma o escritor lisboeta Miguel Born  em seu belo livro “Sintra Lendária”.
Nele, é descrito  o pavor que os de Sintra sentem pelo seu ”Castelo dos Mouros”. Acreditam que ali esteja enterrado um rei mouro com os seus tesouros guardados por espíritos maléficos. Assim, poucos se aventuram a ir lá, e até escavações nos locais são prejudicadas. Além deste, outros exemplos são apresentados.
   O imaginário popular brasileiro quando pensa na religiosidade da mulher portuguesa, não se libertou ainda de quadros antigos  e ainda vê a sua imagem numa geração passada, como a de uma mulher vestida em roupas  muito discretas, saia comprida, um véu escuro a lhe envolver a cabeça, seguindo devotamente uma procissão. Também na senhora muito idosa que guarda por meses o luto pelo marido, em sua roupagem dos pés acima completamente negra. (Vi uma apenas vestida ainda assim, em Ericeira.)
   Sobre a Fé, meu avô português sempre que nos via rezando, repetia : “Mais vale a Fé que o pau da barca” e justificava sua frase, contando esta história:
   Um rapaz português tinha uma mãe muito devota. Um dia, ele lhe participou que iria à Terra Santa, Jerusalém. Então, ela lhe pediu que lhe trouxesse de lá um pedaço do Lenho Santo, isto é, da cruz de Jesus. Só que em sua viagem o rapaz passou por Paris, e ali  meteu-se em grandes farras, esquecendo-se completamente da Terra Santa. Lá não foi.
   Voltando à Portugal, veio de navio e entrou depois numa barca que o levaria do navio ao porto de desembarque. Na barca, que era muito velha, notou que a sua murada estava quebrada. Só então lembrou-se do pedido de sua mãe. Não teve dúvidas: Tirou uma lasca de madeira da murada . Já em sua casa , entregou –a à mãe afirmando-lhe que aquele era o pedaço do “Lenho Santo”.
  Ela, tão feliz ficou, que  entronizou aquele pau dentro de uma redoma de vidro e passou diariamente a rezar ante ele.
   O interessante porém desta história, é que sua família vivia muitas dificuldades e problemas e ela, com as suas rezas ante a lasca,  conseguiu resolvê-los todos.
   Então bem razão tinha meu avô quando dizia: “Mais vale a Fé que o pau da barca”.

Mulher nazarena.

Hoje passeei com Vania e Rolim por uma estrada margeando muitas quintas e vinhedos plantados com aquela maneira europeia de fileiras baixas diferentes do plantio de latadas que fazemos no Brasil. Ali, fizemos frente também ao moderno se opondo ao antigo.  Entre   aerogeradores para energia eólica, vimos muitos moinhos cataventos  nos lembrando das velhas fazendas europeias , primeira engenhosidade dos homens para  aproveitar a energia dos ventos.
   Apaixonada por mitologia que sou, recordei-me logo da Odisseia e de Ulisses ,quando os seus marinheiros  soltaram o deus dos ventos Éolo ,que Ulisses havia prendido dentro de um jarro. Soltando-se os ventos jogaram, sem piedade, a embarcação de um lado a outro.

Tourada portuguesa, em 2017.

   Todos os países contaram com manchas que denegriram a sua história. Portugal não foi exceção. Citarei duas: Touradas e Escravidão. Embora não sendo os portugueses tão apaixonados por touradas como os seus vizinhos espanhóis, soube com surpresa, que aqui em algumas regiões, elas ainda são usadas.  Surpreendeu-me que  homens tão sensíveis como os portugueses jamais conseguiram que seus governantes  acabassem definitivamente com esta prática nefasta.  É deprimente imaginar animais mutilados com objetos que mais parecem anzóis de pescaria, a balançarem presos a seus corpos, antes que sejam finalmente sacrificados.
  Porém , mesmo assim, pelo tanto que admirei o meu avô e seus patrícios, guardo dos portugueses  aquela mesma imagem de sensibilidade  e encantadora  simplicidade,  tal como os descreveu Júlio Dantas em seu livro “A Ceia dos Cardeais”. Aquela sua propensão à nostalgia e saudosismo tão expressos em seus fados. Neles parecem sempre estar à espera da solução de um sonho perdido.
   Quanto à escravidão, existiu desde quando os portugueses lutavam contra os mouros, fazendo dos vencidos escravos. Também no intercâmbio com africanos a(em 1500 os próprios Ericeirenses já possuíam escravos). Num largo aqui se encontra o pelourinho onde os negros eram açoitados.
   A escravidão de africanos foi depois estendida até a sua nova colônia ,o Brasil. Ali os negros foram aproveitados como ferreiros e plantadores de cana de açúcar. Mais tarde , para a mineração durante o grande ciclo de ouro do Brasil. Dedicadas mães pretas amamentaram em nosso país muitas crianças brancas. Após a Abolição houve muitos cruzamentos entre brancos e negros o que resultou nos muitos mulatos que temos. Porém, mesmo assim, a escravidão ,com os seus inevitáveis suplícios ,deixou marcas e lembranças que ainda hoje ,quase um século após a libertação escrava, dificulta um perfeito relacionamento entre as duas raças gerando as vezes conflitos.

Azulejos portugueses.

   Não desejo porém terminar este escrito falando em coisas tristes. Lembrarei aqui a arte mais bela dos portugueses: Sua Azulejaria.
   O azulejo é visto em toda parte neste país. Quem introduziu aqui o gosto por esta arte foram os mouros que na Espanha decoravam seus palácios com lindos ladrilhos. São realmente soube cerca de 500  anos desta tradição, pois  em 1560 haviam já olarias em Lisboa que seguiam uma técnica influenciada pelas Faianças italianas.
   Enquanto o Árabe não ilustra esta sua arte com figuras humanas ,devido à proibições do Alcorão, o azulejo português ilustra neles histórias ,  glorificou  com eles seus santos  na época medieval,  cenas religiosas,  e agora costumes atuais também.
   A primeira capela que visitei em Ericeira, a de Santo Antônio, já me encantou pelo seu interior inteiro de Azulejos.
   Vi também muitas casas antigas que traziam em sua fachada um medalhão de azulejo representando a figura de um santo. Me explicaram ser o santo predileto da família que  via nele, o intermediário que iria garantir as bençãos  do Divino para a família.
   Bancos de repouso nas  calçadas de grandes ruas(vi belíssimos), fontes de água com bicas ainda ativas, e lembranças de antigos lavatórios de roupa , naturalmente apenas como lembranças.
   Famílias fazem trabalhos artesanais de azulejos, mas o trabalho industrial desta arte também é primoroso e garante os grandes espaços forrados  de azulejo .
   Ninguém que vem à Portugal poderá sair dele sem ter tido este deslumbramento: a visão dos seus inúmeros azulejos.


Chafariz em Tabuaço - Douro - Portugal.

   Daqui a um dia deixarei esta aprazível Ericeira.  Sempre considerarei minha vinda aqui como uma volta às minhas raízes, embora elas estejam lá no norte, em Trás –os- Montes.
  O azul dos azulejos, somado ao azul que é muito forte aqui do mar, mais as inúmeras aberturas pintadas de azul, fará com que, ao lembrarmos desta região, esta cor irá apresentar-se sempre  como uma predominância em nossas lembranças.
  Aqui revi aqueles por quem meu coração sempre aspira rever: Os que embora afastados de mim fisicamente, sinto sempre presentes em meu viver cotidiano.
   Aqui conheci dois bisnetos, Bernardo e Luiza que junto à Caetano, no Brasil, há poucos anos vieram enriquecer com sua graça infantil nosso grupo familiar.
   Passei novamente pela história deste querido país, Portugal. Vi vestígios de antigos romanos, muçulmanos e cristãos que o colonizaram. Estão nas ruinas do templo de Diana em Évora, no castelo mouro de Sintra, nos sons ainda hoje ouvidos do bairro lisboeta de Alfama e naturalmente em seus inúmeros conventos e mosteiros. Vi ainda  vestígios dos cavalheiros feudais do medievo, muito relembrados em Óbidos.
   Reli aqui a história de suas dinastias; de sua expansão territorial na África; dos passados antagonismos entre Portugal e seus vizinhos espanhóis; de sua expansão marítima (que o ligou definitivamente ao meu próprio país) também de suas desventuras como: As antigas guerras religiosas; os tristes julgamentos da Inquisição; o terrível terremoto de Lisboa em 1755 e a invasão napoleônica.
   Gostaria de completar estes meus ainda muito escassos conhecimentos conhecendo as suas ilhas.
   Agora aqui, na moradia de minha filha, irei à sacada para de lá contemplar mais uma vez o mar soberano de Ericeira.  Dele, quero guardar para sempre em minha mente a majestosa imponência  de suas falésias  e rochedos, assimilar o ritmo de seu movimento cadenciado e constante, assimilar também a pureza de suas espumas alvas, desejando que ao chegar ao Brasil, meus pensares e conclusões se tornem tão abrangentes, profundos e límpidos como a profundeza de suas águas.
Todos os países contaram com manchas que denegriram a sua História . Portugal não foi exceção. Citarei duas: Touradas e Escravidão.
Embora não sendo os seus habitantes tão apaixonados por touradas como os seus vizinhos espanhóis, soube com surpresa, que ainda hoje, em algumas regiões elas ainda são usadas . Surpreendeu-me que homens tão sensíveis, como são os portugueses, não conseguiram ainda que os seus governantes proibissem definitivamente esta prática tão nefasta em todo seu território. Nela, sempre me foi deprimente imaginar animais sendo mutilados com objetos que mais se parecem anzóis de pescaria a balançarem presos em seu corpo, antes de por fim serem sacrificados.
Porém, mesmo assim, pelo tanto que admirei o meu avô e seus patrícios, guardo dos portugueses aquela mesma imagem de extrema sensibilidade e encantadora simplicidade tal como os descreveu Júlio Dantas em sua notável obra “A Ceia dos Cardeais”. Aquela sua propensão à nostalgia , ao saudosismo tão expressos em seus fados (Neles parecem sempre estar à espera  da solução de um sonho perdido).
Quanto à Escravidão, existem desde quando os portugueses lutavam contra os mouros fazendo dos vencidos, escravos. Também do intercâmbio com africanos. Em 1500 os próprios Ericeirenses já possuíam escravos . Num largo, lá está ainda  um pelourinho onde os negros eram açoitados.
A escravidão de africanos foi depois estendida a sua colônia ,o Brasil. Ali os negros ao chegarem foram aproveitados como ferreiros e plantadores de cana de açúcar. Mais tarde, trabalharam na mineração, durante o grande ciclo de ouro do Brasil.
Dedicadas mães pretas amamentaram em nosso pais muitas crianças brancas. Após a Abolição aconteceram muitos cruzamentos entre brancos e negros gerando os mulatos de nosso país. Porém, mesmo assim a escravidão com os seus inevitáveis suplícios deixou marcas e lembranças que ainda hoje quase um século após  a libertação escrava dificulta um perfeito relacionamento entre as duas raças, gerando as vezes conflitos.



Não desejo contudo, terminar este meu escrito com assuntos negativos, quero lembrar aqui a mais linda arte que encontramos em Portugal: A sua Azulejaria.
O azulejo é visto em toda parte neste país. Quem o introduziu foram os  mouros que, na Espanha, decoravam com eles os seus palácios. São realmente já cerca de 500 anos de tradição pois já em Lisboa em meados do século XVI em Lisboa havia  olarias que seguiam uma técnica influenciada pelas Faianças italianas. Enquanto o árabe não coloca em sua arte figuras humanas, por proibição do Alcorão, os azulejos portugueses ilustram belas histórias, também costumes cotidianos, figuras e cenas religiosas.
A primeira capela que visitei em Ericeira já me encantou pelo seu interior feito inteiro em azulejos. Também vi em  pequenas casas antigas, em suas fachadas, medalhões de Azulejo onde figuravam o santo predileto da família como uma proteção a ela.
Bancos de repouso em ruas, fontes feitos nesta arte, são realmente numerosos. Famílias trabalham neles artesanalmente mas também são feitos por meios industriais.
Ninguém que vêm à Portugal  pode sair dele sem um deslumbramento: A visão desta magnífica azulejaria.

Detalhe de azulejo português.

Daqui uns dias deixarei  esta aprazível Ericeira. Sempre considerarei minha vinda aqui, como uma volta às minhas raízes ancestrais, apesar delas estarem lá no norte, precisamente em Trás os Montes.
   O azul dos azulejos, somado ao azul que é muito forte aqui do mar, mais as inúmeras aberturas pintadas de azul, fará com que, ao lembrarmos desta região, esta cor irá apresentar-se sempre  como uma predominância em nossas lembranças. 
   Aqui revi aqueles por quem meu coração sempre aspira rever: Os que embora afastados de mim fisicamente, sinto sempre presentes em meu viver cotidiano. Aqui conheci meus bisnetos Bernardo e Luiza que junto à Caetano, no Brasil, vieram  enriquecer  com sua graça infantil nosso grupo familiar.
  Passei novamente pela história deste querido país, Portugal. Vi nela vestígios de antigos romanos,  muçulmanos, e cristãos que o colonizaram. Estão nas ruínas dos templos de Évora, no castelo mouro de Sintra, nos sons ainda hoje ouvidos no bairro lisboeta de Alfama e naturalmente em seus inúmeros conventos e mosteiros. Vi vestígios dos cavalheiros feudais do Medievo muito relembrados em Óbidos.
Reli aqui a história de suas dinastias; de sua expansão territorial na África; dos passados antagonismos entre Portugal e seus vizinhos espanhóis; de sua expansão marítima que o ligou definitivamente ao meu próprio país. Ainda de suas desventuras como: As antigas guerras religiosas; os tristes julgamentos do tempo da Inquisição; o terrível terremoto de Lisboa em 1755 e a invasão napoleônica.
   Gostaria de completar estes meus ainda muito escassos conhecimentos, visitando as suas ilhas. Agora aqui na moradia de minha filha irei à sacada para de lá mais uma vez o mar soberano de Ericeira.
   Dele, quero guardar para sempre em minha mente a majestosa imponência de suas falésias e rochedos; assimilar i ritmo de seu movimento cadenciado e constante. Assimilar também a pureza de suas espumas alvas, desejando que ao voltar ao Brasil os meus pensares e conclusões se tornem tão abrangentes ,profundos e límpidos como a profundeza de suas águas. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário