sábado, 19 de novembro de 2016

Mulheres no Panteão Afro


Neste dia de Consciência Negra nós, mulheres, nos lembramos do panteão de deusas africanas que consegue nos dar as principais características femininas.
   Em sua deusa mais antiga, temos Nanã. Nanã é aquela que estruturou no caos da matéria virgem, primordial, todas as formas viventes. É chamada por isto “Mãe dos Orixás”. Como deusa personalizada, é a mulher na idade avançada, muito sábia, a que toda família recorre nas desavenças para refúgio e conselhos. A iniciada de culto tomada em transe por Nanã dança como se estivesse embalando uma criança. Nanã embalou em seu seio a humanidade. Sua cor é o branco rajado de violeta.
   Iemanjá é o desejo de procriar. Personalizada, atrai os homens apenas pelo desejo de procriação. É o mar. Em suas águas, traz as formas criadas por Nanã a saírem do mundo primordial e vir desenvolver-se em suas águas, a vir habitar o mundo manifestado. É o instinto materno de todas as fêmeas. Sua cor é o azul do mar.
   Iansã é a mulher conduzida por um forte instinto sexual. Seduz pela sensualidade. Faz vir à tona o erotismo masculino com a força das tempestades. É chamada por isto de “senhora das tempestades”. No sincretismo com o catolicismo é santa Bárbara. Sua cor é o vermelho das paixões. É cultuada na África como a entidade responsável pelas correntezas do rio Níger, na Nigéria.
   Oxum é a energia da beleza doce, é dengosa, é faceira. Quando se olha no espelho que trás às mãos, vê a sua beleza refletida (é o mais belo orixá do panteão afro) toma consciência do seu poder feminino; se faz ingênua para igualmente atrair. É a atração da inocência. Faz com o companheiro um relacionamento duradouro, não relâmpago, como o de Iansã. Seu rosto parcialmente tampado reflete a sutileza feminina.
   Oxum é o nome de um rio da África, a deusa é por isto relacionada a todas as águas doces, e cachoeiras. Gosta do lírio, símbolo da pureza. Sua cor é o amarelo.
Devemos em fim, à sabedoria dos afro-brasileiros todas estas concepções tão importantes para se compreender melhor a mulher.

O Santo do Pau Oco


Abertura nas costas do santo, utilizada
para guardar o ouro.
Quando alguém se diz muito santo, mas de santo não tem nada, nós costumamos dizer: “è um santo do pau oco, é um mentiroso” Esta frase se refere a um costume do tempo do Brasil colônia de Portugal e do tempo do ouro em Minas Gerais. Havia naquele tempo imagens de santos esculpidas em madeiras ocas para ficarem mais leves para serem levadas em procissões. Mas, dentro dela, as igrejas escondiam barrinhas de ouro (porque a moeda época eram barras de ouro) fazendo uma abertura nas costas das imagens. Essa era a forma como a Igreja burlava o fisco, a fiscalização do imposto sobre o ouro. A coroa portuguesa cobrava o imposto de um quinto sobre o ouro que qualquer pessoa conseguia ganhar. Por exemplo: A Igreja queria fazer uma reforma no interior de uma catedral (todos os ornatos das igrejas mineiras eram em ouro), então, a Igreja pedia doações, só que ela ganhava mais barras de ouro do que ia realmente usar na reforma, então, o ouro que sobrava ela escondia dentro do santo oco. Deixava assim de pagar o imposto sobre aquele ouro escondido. Depois ela contratava paroquianos devotos para atuarem como contrabandistas e contrabandeava o ouro escondido e era nisso que podia tirar o maior lucro.
Uma matraca das antigas
procissões.
    Bem, mas não era fácil sair com aquele ouro de dentro da igreja. Então , quando ela já tinha uma boa reserva dentro dos santos ela aumentava o número de procissões, pois era justamente na ocasião das procissões que se fazia o contrabando. Os paroquianos contrabandistas eram encarregados de levarem os andores dos santos ocos e no decorrer da procissão passavam por postos de fiscalizações sem serem notados pelos guardas. Depois, em meio daquela multidão comprimida em vielas estreitas, entre cantos de louvores, os contrabandistas iam passando disfarçadamente o ouro dos andores para bolsas. Quando terminava a procissão o ouro já tinha  sido todo  passado. Todos os participantes da procissão sabiam o que estava acontecendo, mas como toda a população era revoltada contra aqueles impostos cobrados, todos eram cúmplices, todos guardavam disso o maior segredo.
    No entanto, seria um perigo se na transferência disfarçada do andor para as bolsas alguma barra de ouro caísse no chão, fazendo barulho, o que chamaria a atenção dos guardas ·. Então, se diz que isso é a  origem da Matraca. A Matraca é aquela sineta que vai tocando anunciando o passar da procissão. Oficialmente era usada para chamar os fieis à procissão, na verdade, servia para encobrir um contrabando. E todos afinal estavam do lado da Igreja, pois achavam que os portugueses bem mereciam isto.

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Cidades de Peregrinações

Sempre existiram locais sagrados onde o peregrino acredita estejam concentradas energias divinas. Geralmente foram locais onde viveram iluminados, homens santos, onde se realizavam cultos para se homenagear deuses, onde a fé foi demonstrada com fervor. Alguns destes lugares aqui serão lembrados.
                 
Paimpont, a Floresta Encantada

No coração da Bretanha francesa está um ponto emocionante de uma peregrinação.
Paimpont foi a floresta preferida pelos cavaleiros do rei Arthur. Ali, o sagrado Graal, perdido por José de Arimatea, o seguidor do Cristo, era buscado. Ali-contam- era o refúgio dos amores da feiticeira Viviane, a Dama do Lago, e de Merlin o maior dos magos druidas.
 Tendo perdido sua iniciação esotérica pela paixão à Viviane, que o prendeu numa círculo mágico na própria floresta, nos afirma as lendas francesas que Merlin veio a morrer ali, deixando, para todos os místicos que chegam o testemunho deste episódio numa pedra que cobre o seu túmulo. Surpreendentemente, ainda hoje, Paimpont recebe ininterruptas manifestações devocionais dos franceses modernos.
  Paimpont conta com 7.000 hectares de plantios de carvalho, a árvore sagrada dos antigos Celtas. Para esta árvore todas as homenagens eram poucas. Foi ela o grande objeto de cultos dirigidos à natureza, local das fogueiras de Beltame acesas em honra ao deus Bellenos e do recolhimento do Gy, a mais energética seiva do carvalho. Para um Druida, Paimpont era a transcendente morada dos deuses.
 Quando Carlos Magno tomou o poder, representando a Igreja, mandou por fogo às florestas de carvalho, por serem locais de cultos pagãos. Só bem mais tarde foram então replantadas.
 Em Paimpont existe um local chamado “O Vale Sem Retorno”. Se você é um amante infiel não se aproxime dele. Nele se perdem os infiéis. Quem os faz se perderem nele é a alma de Morgane, a fada, que traída por seu amado, vinga-se de todos os amantes que traem, jogando-os num despenhadeiro para uma morte certa. Assim nos afirmaram sempre as lendas locais, e ainda na Idade Média muitos traidores temerosos evitavam passar pelo “Vale Sem Retorno”.
 Contatar estas lendas e sentir a força de um lugar energizado por tantos cultos e devoções ali feitos, transformou Paimpont num grande centro de peregrinações.

              Jerusalém, a Cidade Santa

  Antiga Canaã, a terra prometida dos judeus, é hoje o grande centro de peregrinações de três importantes religiões: Cristianismo, Islamismo e Judaísmo. Cada um de seus fieis buscando ali os seus lugares sagrados.
  Judeus fazem seus cultos ante o Muro das Lamentações, único vestígio sobrado do magnífico templo de Salomão, seu rei sábio, construído mil anos antes de Jesus.
  Muçulmanos buscam ali a grande mesquita da Cúpula da Rocha, construída por Omar, o maior califa do Islã, o São Paulo do Islamismo.
 Cristãos procuram em Jerusalém a Igreja do Santo Sepulcro (túmulo de Jesus). Então, podemos ouvir das profundezas deste local santo, a voz de um padre dizer; “Cristo morreu, Cristo ressuscitou, Cristo voltará”.
  Perto dali o rabino estará proferindo as palavras do livro de Moisés: Ouve Ó Israel, o senhor nosso Deus Adonai; O senhor é um só!
 Enquanto isso, próximo ao Muro, no alto do minarete da mesquita de Omar, o Muezin estará clamando: Alá é grande, o único Deus é Alá!
  Isto tudo, esta grande energia devocional trina, faz de Jerusalém, a cidade de peregrinações por excelência.

                             Stonehenge (Inglaterra)

Excelente ponto de peregrinações, as datações arqueológicas fazem remontar a construção de Stonehenge há quase 4 mil anos. Alguns de seus blocos de pedras pesam mais de 120 toneladas e estima-se que foram trazidas de um local há 320 km de lá, no Pais de Gales. Mistério de transporte e locomoção até hoje conservado.
  A maioria dos seus estudiosos acha que tal local teria servido de templo a Druidas, onde se praticavam cultos, sendo sua inusitada formação circular aproveitada como observatório astronômico.
 Local que deveria servir para o estudo dos movimentos celestes, para fins religiosos. Demonstrou-se que a posição de suas pedras previam os eclipses solares e lunares a fim de serem ritualisticamente celebrados. Também no solstício de verão o sol se eleva justamente entre as duas principais pedras que serviam de entrada à sua formação circular.
 A tradição conta que o mago Merlin teria dado a estas pedras o poder curativo para muitas doenças, desde que se deixasse escorrer agua sobre elas e a bebesse.
  Desde o século XIX até hoje, muitos ritos passaram a ser feitos em Stonehenge por modernos adeptos do antigo Druismo, que ali se reúnem em grupo sempre vestidos de branco, numa réplica as antigas vestimentas dos Druidas.
  Muitas peregrinações continuam a acontecer neste local considerado sagrado.

                 Monte Saint Michel (França)

  Conhecido na Europa como “A Maravilha do Ocidente”, a partir da mais remota antiguidade ele é um local sagrado. Os antigos o chamavam Monte Tombe, ou da Tumba, porque acreditavam que as almas dos mortos iam ali repousar. Foi também um local onde as sacerdotisas druidas faziam seus oráculos. Toda a região era energizada por Lug , o grande deus celta do poder.
  Pelo ano 500, já destruído o paganismo, transformou-se em refúgio de eremitas cristãos. E, a Igreja lhe pôs o nome do arcanjo do poder, Miguel, para preservar o mesmo tipo de energia devocional ali cultuada. Desta época, surgiu uma das mais caras lendas dos antigos normandos.
  Entre os matagais que circundavam o monte, vivia um lobo feroz que assustava com seus uivos ameaçadores aqueles santos eremitas. Um dia o lobo comeu um asno que levava da vila próxima a alimentação que abastecia os ascetas retirados no monte. Como o asno sempre convivera com aqueles homens santos e transitava muito por aquele local sagrado, ao comê-lo, o lobo, de feroz passou a ser pacífico, dócil e fiel ajudante dos eremitas. Um milagre-diziam os gauleses, a transformação deste lobo, que só num monte tão abençoado como aquele aconteceria.
 Quando hoje, contritos, cheios de fé, subimos as suas imensas escadarias para chegar até a sua esplêndida abadia, cada degrau vencido nos parece um passo ganho em nossa própria evolução. Visitar Saint Michel é, sem dúvida, uma das mais gratificantes experiências que pode acontecer a um místico.

                         Palenque (México)

Foi este um grande centro político religioso da civilização Maia, florescendo a mais de mil anos. Desde o século VII tornou-se um centro de peregrinação, pois ali viveu o maior dos sacerdotes mais: Pacal Votan.
   Pacal transformou Palenque em um núcleo de cerimônias ritualísticas muito prestigiado. Hoje, encontramos ali uma pirâmide em cujo ápice está o chamado “Templo das Inscrições." Lembremos que as pirâmides maias são truncadas, isto é, não têm ponta. São cortadas acima por uma plataforma onde se edificava um templo.
   Em 1952 foi descoberto um túnel que saia de dentro do seu templo e descia o interior da pirâmide até o nível de sua base. Conduzia a um túmulo que continha o corpo de Pacal Votan, usando uma máscara de jade. A lápide trabalhada de seu túmulo deu o nome ao templo “Das Inscrições”, pois mostrava um desenho que, sendo estudado, já levantou diversas hipóteses sobre o seu significado.
   Espiritualistas afirmam que a tumba de Pacal na base interna da pirâmide, representa a colocação de um desencarnado nos níveis mais profundos do mundo dos mortos, de onde sua alma ascensionária até o ápice externo da pirâmide, para encontrar a divindade que está no templo acima.
  Pacal Votan completaria enfim a apoteose da subida aos céus de um dos mais cultuados chefe religioso e administrativo dos Maias. Palenque constitui-se por isso, num dos grandes centros místicos de peregrinações da América.

                           Carnac (França)

Quando os sábios Druidas tinham já estabelecido sua cultura na Gália (nome da antiga França) que uma leva de invasores romanos aportou na região da Bretanha francesa. Pressionados, aqueles sábios foram se esconder em Carnac onde encontram as pedras milenares que até hoje têm sua origem desconhecida. Datações modernas atribuem a elas ima idade de 4.000 a 3.000 AC.
   Ali, entre aqueles alinhamentos que contam com cerca de 3.000 dolmens e menhires, os líderes Druidas fizeram centros de cultos e os imantaram com seus ritos pagãos.
   Os Druidas tinham nos Dolmens a representação de falos e os veneravam como a própria potência masculina do universo.  Já os Menhires, que são em forma de portais, eram o símbolo do útero feminino, de karentz, a nossa origem cósmica materna. Nestes, eram feitos ritos de passagem, onde o postulante à iniciação druídica cruzavam estas pedras portais fazendo neles o rito do “Segundo Nascimento”.
   Os esotéricos usam até hoje esta região com a mesma finalidade: Fazer com que o simbolismo do “Segundo Nascimento” lhes desperte o desejo de evolução consciente.
  Sendo um local onde se homenageava a força feminina, quando o Cristianismo entrou na Bretanha o culto pagão que mais encontrou ali foi o da fertilidade. Contudo, passou-se séculos antes que as peregrinações pagãs de mulheres estéreis ao local diminuísse.  Mas não é raro, ainda hoje mulheres se encostarem nas pedras dos Menhires de Carnac com a intenção de engravidarem.
   Carnac é também visto como um dos centros de forças elementais mais poderosas com que conta o Velho Mundo. Lendas afirmam que algumas pessoas sensitivas vêm seres elementais, tais como gnomos, saírem à noite das proximidades destes megalitos, para banharem-se no mar próximo e retornarem a eles, conservando assim fortes e indestrutíveis suas forças elementais através dos tempos.
  Carnac é um os locais mais procurados por turistas místicos que chegam à França.

             Compostela ( Espanha)

O Caminho de peregrinações à Compostela sempre foi considerado sagrado, muito antes que o culto ao apóstolo Tiago tivesse início. Ao contrário dos redutos de peregrinação de teor exclusivamente católico, como é o caso de Lourdes ou Fátima, este Caminho une ao seu grande peso católico, também a mística profundamente esotérica vinda do Paganismo e de organizações ocultistas que ali habitaram.
   O norte da Espanha sempre contou com cultos pagãos muito fortes, neste trecho de quase 900 km que liga os Pirineus até a ponta da Galícia. È compreensível que cultos pagãos tivessem sido e perseverem até hoje ali fortes, porque o subsolo neste trecho é rico em telúrio, e é afirmado que este minério irradiando na face da terra a energia telúrica, atua na sensibilidades e emoções de que por ali passa ou habita.
  Esta crença foi muito aproveitada pelos pagãos celtas, por grupos de antigos Druidas que achavam que a força da mãe terra provinha de minérios do subsolo.  Tinham nela a sua maior devoção, pois eram povos que descendiam - segundo eles - da grande deusa Ana e se intitulavam mesmo de “Povo de Ana”. Também vemos os antigos gauleses darem as suas chamadas “Virgens Negras”, a coloração negra dos minérios da terra.  Com suas moradas no subsolo, seriam elas com sua força telúrica que emprestariam energias femininas sentidas por peregrinos que passavam pelo caminho.
   Também os Visigodos, conquistadores da Espanha, contavam com mestres de sabedoria que levavam discípulos a fazerem ascetismos nas costas da Galícia, onde mais tarde se situaria Compostela, cujo nome provem de visões posteriores, já cristãs.
  O culto ao apóstolo Tiago, atual grande patrono do Caminho, surgiu na Idade Média, no século IX. Contou para a sua difusão paradoxalmente com a ajuda de grupos pagãos que desejavam ver voltar as iniciações devocionais do Caminho, após o longo tempo que estiveram abafadas pela perseguição do Cristianismo ao Paganismo. A origem da peregrinação de teor cristão ao caminho de Compostela nos remonta a evangelização feita nos primeiros anos após a morte do Cristo Jesus.
  Conta-se que Tiago Maior, irmão de João Evangelista, teria vindo de Jerusalém para evangelizar o norte da Espanha. Investido de uma modesta pelerine, um chapéu e um cajado, e teria percorrido o Caminho em sua missão durante sete anos. Retornou depois á Judéia onde foi então decapitado por Herodes. Discípulos seus teriam embalsamado o seu corpo e o teriam trazido em barco até Iria Flavia, atual cidade de Compostela, região que tanto amava. Ali, ficou escondido dos romanos, perseguidores do novo credo cristão, e acabou esquecido.
  No século IX com o Cristianismo já estabelecido na península Ibérica, ascetas teriam avistado uma chuva de estrelas sobre um montículo da praia. Tal chuva deu então um novo nome ao local: “Campo de estrelas”, mais tarde resumido para Compostela. Verificado que ali estava o túmulo do apóstolo, desde então o Caminho passou a ser uma rota de peregrinos, agora cristãos, que de todas as partes da Europa, cruzando os Pirineus, buscavam atingir o túmulo do santo.
   O século XII veio enriquecer tal rota com a chegada dos Templários, Ordem da Igreja, mas depositária da Ciência Oculta, que se espalharam construindo albergues, hospitais e igrejas que atendiam os peregrinos. Mais tarde, o Estado francês e a Inquisição exterminariam a ordem que devido as suas pesquisas esotéricas foi acusada de heresia. Porém, até hoje, os místicos que passam pelo Caminho acham nos antigos redutos templários uma forte energia deixada pelos cultos mágicos e uma simbologia rica de significados esotéricos nas magníficas catedrais góticas que ajudaram a construir. Por sua longa extensão o trajeto todo foi tombado pela UNESCO como Patrimônio Cultural da Humanidade.

             Machu Picchu (Peru)

     Situa-se numa soberba paisagem do Peru em 2,050 metros de altura. Sua maior força mística é jamais ter sido uma cidade profana. Foi projetada durante o Império Inca para servir de santuário. Acrescenta-se a isso o fato de Machu Picchu ter sido abandonada ao mato por seus habitantes, após o grande receio que tiveram de que o deus do raio viesse queimar a cidade para castiga-los por seus erros. Assim, entregue ao matagal, escondida, jamais foi achada e profanada pelo invasor espanhol.   Esta cidade nunca viu os horrores da conquista, conservando intacta a sua energia devocional de paz.
   Sendo projetada por urbanistas que professavam as crenças incaicas, Machu Picchu era uma réplica perfeita do universo tal como o concebiam os incas: Dividia-se em três mundos. Ali estava o mundo de baixo, manifestado no rio que cerca a cidade. O mundo do meio, o local a ser habitado e o mundo de cima, os altos cerros da montanha de Wyana Picchu. Os Incas acreditavam em duas serpentes míticas, invisíveis e gigantescas que, levantando-se das profundezas do rio, interligavam os três mundos. A primeira, ao levantar-se, encontra no céu o deus raio e retorna como chuva, fertilizando o solo da cidade. A segunda tocando o mundo de cima transforma-se em Arco Iris colorindo tudo o que tem vida em Machu Picchu: Pássaros, flores e frutos.
   Tudo ali tendo origem nas serpentes sagradas está, portanto, impregnado de um poder divino. Por isso, no esplendor da paisagem de Machu Picchu em uma peregrinação mística onde se busca ali o sagrado, sentimos uma energia que é um misto de beleza, fortaleza e paz.

As Egrégoras e a Unicidade Entre os Seres


Uma egrégora religiosa.
Pequenos grupos formam uma espécie de unicidade, juntando pessoas que desenvolvem tipos de energias, de entusiasmos e intenções comuns a todas.  A essa junção de energias semelhantes, damos o nome de egrégoras. Vemos também pessoas que embora separadas fisicamente vivendo até à distâncias, desenvolvem características semelhantes, formando egrégoras que até marcam certos períodos históricos com suas qualidades comuns para o desenvolvimento da humanidade.
   O século V e VI AC. foi de intensa atividade espiritual. Neles, formando uma grande unicidade surgiram Lao Tsé, e Confúcio na China, Zoroastro na Pérsia, Buda na Índia, Pitágoras, os filósofos gregos. O mundo se enriquece com grandes pensadores.
   No sec. XIII vimos a união dos arquitetos da Maçonaria e da ordem Templária enchendo a Europa com as esplêndidas catedrais góticas formando a grande egrégora de uma arte absolutamente nova.
     Mais tarde, tivemos o grande salto da Renascença com seu grupo de luminares da Pintura e da Escultura: Leonardo Da Vinci, Miguel Ângelo ,Rafael, Ticiano e tantos outros a sobressaírem-se com tendências artísticas semelhantes entre todas as atividades humanas.
   Porém, os Séculos XV e XVI se notabilizam também pela presença de homens intrépidos, audaciosos e aventureiros responsáveis que foram pelas longas e perigosas navegações.
   Veremos chegar depois os enormes avanços científicos, Copérnico, Newton, Kleper e tantos outros faziam dos séculos XVI e XVII a grande egrégora das ciências exatas.    
 Seguiu depois a vinda de geniais musicistas destacados entre o período de XVIII e XIX. Tivemos Mozart, Chopin, Beethoven, Schubert, Strauss e muitos outros.
Mozart, componente de uma
egrégora de musicistas. 
  A época rica em espiritualidade chegou novamente em nossa modernidade com Annie Besant, Helena Blavatsky, Alice Bailey, Rudolf Steiner, Dion Fortune, Krishnamurti formando todos eles em seu total uma egrégora que orienta com suas ideias esotéricas grandes grupos.
   Hoje, ficamos deprimidos quando a televisão, nosso maior meio de comunicação, nos despeja uma avalanche de notícias aterradoras, de violências, corrupções e guerras, que necessitamos realmente estar a par, mas dando pouca ênfase as coisas boas acontecendo no mundo. Para nos mantermos equilibrados, necessitamos ouvir o Cristo ,quando em meio a toda opressão em que vivia a Judéia de sua época, pedia a seus discípulos que não perdessem a visão das coisas belas. Assim dizia-lhes: “Olhai os lírios do campo, nem Salomão em toda sua grandeza vestiu-se com tanto esplendor”.
  Hoje, novamente uma grande egrégora de cientistas trabalham incansavelmente, com um espírito de humanidade muito desenvolvido, para que o mundo progrida, para sanar males. Envolvidos que estamos em tanta adversidade, deixamos de notar que vivemos sim hoje uma grande unicidade entre seres desprendidos que pesquisam nos campos da Biologia, Astronomia, Medicina, Perícia Forense, Física e tantos outros; e que paralelamente a isso existe também uma grande busca por espiritualidade. Confiemos então que um notável período de paz e fraternidade logo virá.

sábado, 30 de julho de 2016

A Mitologia e a criação do Universo


  A palavra mitologia é composta de “Mito” significando fábula, estória, mais “Logia”: tratado.
   Seus conceitos são variados: Seria um tratado que memoriza uma história real, verdadeira do homem e do mundo; uma memória da origem das coisas intuída e expressada através das fábulas dos povos pagãos. Seria também um imaginário onde os povos pagãos personalizam as forças da natureza. Ainda seria a personificação das potências internas do homem. Os mitos transformando emoções como amor, ciúme etc. em personagens de suas fábulas.
   É por este último conceito que o mito passa a ter muita importância, na medida em que procura e expressa a profundidade dos sentimentos e comportamentos humanos. O mito passa a ter valor para a Psicologia, mormente na psicanálise onde é conceituado como arquétipos, como um inconsciente coletivo, isto é, modelos de estados de ser comuns a todos os homens. Como o grande estudioso de mitos dentro da psicanálise contamos com o psicanalista Jung.
   A mitologia grega, sendo a base do patrimônio artístico e cultural do povo grego, vem a ser também a base de muitos de nossos usos artísticos e de expressões, que chegaram até nós através de Roma. Sabemos que esta sempre assimilou a cultura dos vencidos e, assimilando a grega , espalhou-a no ocidente.
   Por exemplo: Ao dizermos: ”Isto é presente de grego”, estamos nos referindo a estória mitológica do “Cavalo de Troia”.
   Quanto as fontes deste estudo, lembremos que a maioria do povo grego primitivo não sabia ler. Mas, suas lendas eram transmitidas oralmente por poetas, os Aedos, que transformavam as lendas em poemas, e os declamavam de aldeia em aldeia. Também os Rapsodes, cantores populares, as cantavam perante o público.
No século. IX AC, temos a fonte mitológica da obra de Homero que escreveu a Ilíada e a Odisseia. No século VIII AC, a obra de Hesíodo. Escreve a Teogonia, isto é, a criação do mundo, dos deuses e homens. Também temos as Escolas de Mistérios Iniciáticos como a Escola Órfica. (Escola Iniciática de Orfeus) , os Mistérios de Elêusis (que teatralizavam os mitos), também as artes plásticas do classicismo grego e o Teatro.
   A Mitologia grega desenrolou-se no Peloponeso (Grécia peninsular), nas suas famosas ilhas (Grécia insular) e onde hoje é a Turquia (antiga Grécia asiática).
Geia, a Terra e Urano, o céu estrelado.
  O povo grego ficou conhecido como o mais imaginativo da Antiguidade e haviam razões para isso. Principalmente por sua geografia. Pais situado sobre grandes penhascos, de onde se divisa ao longe horizontes muito distantes, visões marinhas amplas. Em um cenário radioso, o pensamento tende a divagar, pois sabemos que a medida que somos colocados, ao contrário, em espaços geográficos muito limitados nossa mente tende a se apequenar. Entre os próprios gregos vimos a diferença entre os atenienses e os espartanos, estes últimos colocados em cenários interioranos fechados.
   O espírito imaginativo do ateniense o fez criar personificações geniais para seus deuses, fazendo seus deuses à imagem dos homens, retratando neles suas fraquezas e talentos. Mais tarde, dali sairiam também os grandes filósofos.
   Do alto dos seus penhascos, os gregos viam a noite sumir e o sol chegar e imaginavam que a noite foi a primeira coisa a existir no universo. Então, aceitaram como verdadeiro o grande poema de Hesíodo. Nele, era dito que nas trevas flutuavam as sementes de toda a vida em absoluta desordem, todos os elementos da matéria.
   Deste Caos, surgiu Geia, a grande mãe, a força limitadora que iria construir as formas, pôr uma ordem ao Caos. Como um grande útero, Geia (ou Gaia) limitará e dará forma também a um mundo que vai repetir o seu nome, Geia. Dará também nascimento e formas a astros, criando o estrelado espaço celeste, que chamariam de Urano. Espaço que envolverá Geia num forte abraço. Assim, vemos os princípios que, segundo os gregos mitológicos, estruturaram o universo: Forma e Força, mãe e pai primordiais.  Do globo terra, brota um grande ovo do qual sairá Eros, o primeiro ser criado do par Geia e Urano. Eros é o amor, a vitalização, o movimento do qual nascerão depois todos os seres vivos.

A Tocha Olímpica, numa visão mitológica

Era chamada pelos antigos gregos que inauguraram os jogos olímpicos de: “A Tocha Sagrada de Prometeu”.
    Prometeu o grande herói civilizador, havia criado homens, moldando-os com o barro da terra e com as suas próprias lágrimas. Dava assim a estas suas criaturas não só um corpo físico, mas também muita emoção.
    Corria o tempo e Prometeu percebeu que os homens estavam muito tristes, sentindo-se frágeis e inoperantes, pois nem sabiam como forjar ferramentas para o plantio do solo.
    Subiu então ao carro de fogo do deus solar Apolo, que todas as manhãs surgia radioso no céu, e dele roubou uma tocha de fogo e entregou-a aos homens.
    Deu-lhes assim a sua maior aquisição. Com o fogo forjador, capacitaram-se a sobreviver não apenas pela labuta de matar animais, mas abastecendo-se com as riquezas da “Mãe Terra”.
  Zeus, o sábio deus governante do Olimpo, submeteu então Prometeu a um doloroso castigo, por ele haver dado tanto poder aos homens. Zeus temia que estes viessem a usar o fogo para forjar armas belicosas.
    Em nossa modernidade, a tocha agora chamada de “Tocha Olímpica“ representaria, segundo a Mitologia, uma época em que Prometeu iluminou os homens com o poder de usufruir a natureza.

quarta-feira, 6 de julho de 2016

A Trindade Sagrada

A simbologia da Trindade é uma das primeiras tentativas de entender a estruturação da natureza, do homem e do universo. Assim, vemos no antigo Egito o culto de Osíris, Ísis e Hórus, voltado à força da Trindade em relação à natureza. Hórus era a germinação que o pai Osíris, (o rio) fazia brotar nas suas margens (a mãe Ísis). Hórus era o fruto do casamento místico de Osíris e Ísis, do rio com a terra. Tríada de pai, mãe e filho que era a própria vida, a alimentação e a sobrevivência do Egito.

A trindade egípcia.

    Na Índia, a Trindade cultuada era voltada também para a natureza, mas também para os ciclos da existência humana. Era o nascer, o manter-se e o destruir-se da natureza e do homem: Brahma, Vishnu e Shiva. Shiva era o destruidor, liricamente descrito assim: ”Shiva é a força que faz a folha cair”, finaliza os ciclos, destruindo a criação para que novo ciclo criativo tenha início. Tais ciclos eram o próprio princípio da reencarnação do Bramanismo: Nascer, morrer e renascer se repetindo em ciclos contínuos.

A trindade indiana.

    A Árvore Cabalística judaica foi tida como herética durante muitos séculos própria ortodoxia judaica. Guardou-se, porém dela uma tradição que foi passada ao Cristianismo. Quando hoje numa igreja cristã afirmamos: “Tu és o reino ,o Poder e a Glória “ não imaginamos que repetimos a tríada que na base da “Arvore cabalística” sustentava o homem, e o universo, conforme pensavam os religiosos da arcaica região da Caldéia.
    As Escolas Pitagóricas no terceiro século antes de Cristo eram voltadas à parte psicológica do homem. Viam nele uma Trindade de Percepção, Razão e Intuição. Percebemos as coisas ao nosso redor com nossos sentidos, as analisamos com a nossa mente racional, concreta, mas às vezes o nosso raciocínio erra. Só acertamos quando usamos a mente intuitiva abstrata.
    A mente concreta é aquela que causa os fenômenos psíquicos. Como exemplo a Telepatia. Alguém pensa em nos visitar e podemos eventualmente ver seu pensamento, seja em sonhos ou visões. Já a mente abstrata, traz nossas intuições não de algo externo, mas do nosso interior, do nosso Eu Superior. A intuição nos leva à causa real das coisas e também a um futuro por acontecer. Pode nos preparar para momentos que iremos viver, sem termos qualquer imagem ou ideia antecipada do que serão.
    Nos primeiros séculos da era cristã, a Igreja, que estava em formação, preocupava-se com o interesse que grupos esotéricos mostravam pela Trindade. Para que se calassem, a Igreja estabeleceu o Dogma da Santíssima Trindade. Em sendo dogma, era proibida de ser estudada. A Igreja assim fechou durante séculos este estudo sob ameaça de considerar herege a quem se aventurasse a fazê-lo. O Dogma dizia: “Jesus é três pessoas distintas num só Deus verdadeiro”. Para a Igreja incomodava que a teoria da Trindade estudada por esotéricos dissesse apenas que Jesus era corpo, alma e espírito como todos nós, um homem, enfim. Que estivessem a explicar que três pessoas distintas eram aquelas citadas no dogma.
    Quando outros dogmas vieram (como o da Virgindade de Maria e o da Sua Ascensão) a Igreja limitou e determinou seu próprio papel, aquele que teria para sempre: Não seria jamais a explicadora de simbologias e princípios divinos, mas ficaria no papel de guardadora de símbolos, com os quais enriqueceria os seus templos. Na verdade, o interior de uma igreja cristã é uma mina, um manancial de símbolos. Mas jamais serão por ela explicados, limitada que está, pelos seus próprios dogmas.
    Deixou com isso de auxiliar seus fieis a chegarem à profundidade de consciência que a interpretação de símbolos lhes dá. Porém, tudo está certo. Não julguemos a Igreja, pois todos temos um papel a cumprir e o da Igreja será sempre aquele tão importante de reunir, guardar e não deixar que se percam símbolos.

A Trindade cristã.

    Para nosso contato com o Absoluto, para o nosso Religare, contamos com uma Trindade de abordagens religiosas, com três principais correntes e práticas religiosas: A indiana, a cristã e a egípcia.
    A indiana conduz o homem pela mística. Quer anular a personalidade ,o ego, para captar a essência do Pai. Refere-se à primeira pessoa da Trindade. Existe nela um perigo: A alienação. Alienarmos-nos de interesses materiais que são afinal importantes, pois Deus está em toda a parte. Conta-nos o budismo Zen que, ao estabelecer-se, ele procurou fazer um equilíbrio entre o budismo indiano e o japonês, pois enquanto o indiano não dá a mínima importância ao ambiente que o rodeia , o japonês, como um amante da beleza que é, procura sempre enchê-lo dela, sendo que na mais humilde casa um ou outro aspecto da beleza sempre estará presente.
    A linha cristã traz como marca o relacionamento de um homem para com outro homem. Sua finalidade é o ”Amai-vos uns aos outros” da doutrina da segunda pessoa da Trindade: O Filho. Porém, nela também estamos expostos a um perigo: O demasiado rigor. Isto porque o Cristianismo é originário do rigorismo da disciplina mosaica. Quando bifurcou para o Islamismo, tornou-se de um rigor intensificado. Porém, aqui no ocidente temos linhas cristãs que para respeitar e apreciar alguém, lhe impõe mudanças de costumes e hábitos em matéria de vestuários, cortes de cabelo, frequência em festas, etc. Isso ,afinal, não condiz com o verdadeiro “Amai-vos uns aos outros”, pois este independe de costumes. Tanto faz que estejamos de burca ou num sári indiano ou num jeans americano, o costume é o que menos importa, só o amor entre indivíduos vale.
    Finalmente, temos a corrente egípcia, que é mágica. Nela, o homem se sente usufrutuário das forças da natureza. Usa amuletos, sortilégios, cristais, ervas. É atraído pelos grandes mistérios do mundo físico, pelas suas forças curativas. É o Espírito Santo, 3ª pessoa da trindade que o habilitará a ser um mago. Seu perigo será a despreocupação com o próprio comportamento, confiando que poderá sempre resolver suas dificuldades através apenas da magia. Como exemplo, temos num ritual (uma magia na qual se usa perfumes , cores, sons, elementos do mundo físico) quando seria necessário o equilibrarmos com a 2ª pessoa da Trindade, com o comportamento , o amor na atividade cotidiana, e nem sempre isto é feito.
    A partir do séc. XIX novas escolas espiritualistas as chamadas modernas, nos trouxeram o estudo da Trindade. Aparece a russa Helena Blavatsky relacionando-as aos três raios básicos do prisma solar. O raio azul, o amarelo e o vermelho. Também a brasileira de pseudônimo Chiang Sing, difunde entre nós este estudo. Ambas citam também as três consciências superiores de Vontade, Sabedoria e Amor que correspondem à consciência do nosso Atma, da nossa consciência Búdica e da nossa consciência de Manas respectivamente. Ambas falam ainda dos mestres ascensionados  que nos auxiliam no desenvolvimento destas consciências.
   Diferenciamo-nos uns dos outros devido a diferença como estas potências atuam em nós.
 Os três raios de Vontade, Sabedoria e Amor formam juntos o que o espiritualista chama de “Raio Egoico de nossa Mônada” Em cada um de nós temos um deles dominante, outro secundário e outro como terciário. Isto é, cada um de nós, os temos em combinações diferentes que poderiam ser assim ilustrados:


A chama trina, os três raios.



 1 V. S. A.   dominante, secundário, terciário.
 2 V.A. S.     dom.             sec.      terc.
 3 S. V.A         “                 “          “
 4 A.V.S          ”                 “          “
 5 A.S.V.         “                 “          “
 6 S .A.V.        “                 “          “
 7  V.S.A   Todos dominantes,  pelo equilíbrio de alguém que já atingiu  a perfeição.                              
    Porém, temos também o que chamamos de “Raio Encarnatório”. Pois alguém pode ter como seu raio egoico, dominante, a Vontade e numa encarnação estar desenvolvendo o seu secundário ou seja desenvolvendo a Sabedoria, ou o Amor que poderão  estar sendo apurados como prioridades.
    Estes conhecimentos são curiosidades intelectuais para melhor nos conhecermos, porém, o mais importante para nós é usarmos estas consciências no nosso cotidiano obedecendo a esta sequência ao fazermos os nossos atos inicia-los sempre por uma forte Vontade, depois discerni-los para fazê-los com sabedoria e por fim realmente concretiza-los que é o amor posto em atividade.
    Só assim nossos atos estarão perfeitos. Observamos também se não estamos usando demasiadamente um dos três raios em detrimento dos outros, para que  o equilíbrio seja alcançado.
No uso da magia com as três cores do prisma solar, não se trata de crer ou não crer na teoria benéfica de seu uso, mas sim de um sentir. Sentir que não somos seres soltos no universo, sem qualquer envolvimento com ele. Mas por estarmos assimilando a força de um astro (no caso o sol) nos sentirmos parte do todo universal, sentimento que é própria razão do Religare, da ligação ao Absoluto, a Deus.